Nossa Senhora da Escuta

 

Maria, na escuta de Deus – o anjo entrou onde Maria estava e disse: 'alegra-te, cheia de graça! O Senhor está contigo'. (Lc 1,28). Maria estava em algum lugar não explicitado; numa área de trabalho? Numa sala? Em seu quarto? Onde exatamente não sabemos, mas é certo que estava à escuta, tinha de antemão uma abertura de coração, envolvida de docilidade à Palavra e a seu Autor. Maria escuta, perscruta e responde. Sua fé é ativa, cercada de dinamismo e disposta a assumir as conseqüências da Palavra operante que lhe chega. Seu coração auditivo é como um território livre e disponível. Nela transborda confiança, abandono audacioso, aceitando todos os riscos que de seu SIM poderia vir.

 

Maria, na escuta dos acontecimentos – após o nascimento de Jesus e a visita dos pastores se diz que Maria guardava todas estas coisas, meditando-as no seu coração (lc2,19). Estava à escuta, aberta, disposta a receber o que vinha de Deus e por isso, buscando perceber Sua proposta de amor nos acontecimentos da vida, que eram, muitas vezes, enigmáticos, doloridos, mas certamente, conduzidos pela mão poderoso do Senhor de Israel. Não se considera autora dos atos, diz: faça-se em mim, que Deus faça como lhe aprouver, estou disposta a assumir a ação da Palavra que chega; também diz amém na noite de Belém sem casa, sem berço, sem parteira; diz  amém  na fuga para o desconhecido e hostil Egito. amém para o silêncio de Deus durante os trinta anos de escondimento do Filho, sua missão pública e sua morte desmesuradamente dolorosa. Sua dimensão de escuta coloca-a na corrente profunda dos pobre de Deus, daqueles que não protestam, mas se abandonam em silêncio e depositam sua confiança nas mãos todo-poderosas e todo-carinhosas de seu Senhor e Pai.

 

Maria, na escuta da humanidade – mulher, eis aí o teu filho (Jo 19,26). Maria acolhe a nossa humanidade decadente, defeituosa, mas ainda assim, humanidade que guarda a semelhança de Deus em sua essência. Ela é invocada de muitas formas para exprimir essa proximidade: nossa Senhora das mercês, dos navegantes, das necessidades, da ajuda, do amparo, do bom parto, do perpétuo socorro, auxiliadora, das graças, da guia, medianeira, da vitória, da saúde, do caminho, do trabalho.

 

São Bento na escuta de Deus – São Bento deixa os estudos acadêmicos para escutar a Deus de modo intenso e absoluto; estava em oração quando viu o globo terrestre em um só raio de luz; fez-se levar para o coro monástico para aí morrer.

 

São Bento na escuta dos irmãos – conserta a vasilha que a ama tinha quebrado; ressuscita o filho de um camponês; ajuda a pagar uma dívida; fica com a irmã durante toda a noite.

São Bento propõe ao discípulo escutarescuta, filho os preceitos do mestre (Prol 1); aquele que ouve minhas palavras e as põe em prática... (Prol 33); quem vos ouve a mim ouve (RB 5,6); que a mente concorde com a voz (RB 19,7).

 

Maio/ 2012